Novidades
segmento de manufatura

Quarta-feira, 17 de janeiro de 2007
Como evitar o custo do descontrole

Máquinas ociosas, excesso de estoque, lotes mal dimensionados e uma série de outros fatores frutos de uma deficiência de planejamento são responsáveis por causar em diversos setores da indústria brasileira o chamado "custo do descontrole". O alerta o diretor de negócios Antônio Fernandes, da Mega Sistemas Corporativos, empresa que desenvolve softwares de gestão especializados para indústrias. Para o especialista, esses custos variáveis tendem a acontecer em empresas que não adotam sistemas de gestão empresarial, e não conseguem administrar com exatidão seus processos produtivos, prevendo fatores como necessidade de horas extras, excesso de setups do maquinário, manutenção em momentos indevidos, entre outros. Fernandes acredita que o planejamento dos recursos utilizados em processos de manufatura evita que o custo do descontrole atinja as empresas, diminuindo a margem de lucro anteriormente projetada.

Os sistemas de gestão empresarial chamados de ERP - Enterprise Resource Planning são desenvolvidos para ajudar empresas a controlar custos, cuidar de estoques, verificar matéria-prima, manter a produção em dia, emitir notas fiscais, pagar funcionários e garantir que o custo do descontrole não interfira nos lucros.

As tecnologias que sustentam esses sistemas estão a cada dia mais avançadas, mas nem sempre o que há de mais novo no mercado significa solução dos problemas. "Cada empresa tem as suas características próprias, e é isso que precisa ser minuciosamente levantado pelos analistas na hora de implantar um ERP", explica Fernandes.

Segundo o consultor é normal empresas fazerem grandes aportes de capital na aquisição de um sistema que não resolve os entraves produtivos e elimina o alto custo variável da empresa. "É preciso cuidado na hora de adquirir um sistema de gestão. Uma avaliação profunda no sistema produtivo da empresa é primordial e para isso é preciso buscar experiência nas empresas de tecnologia fornecedoras de sistemas de gestão", conclui Fernandes.


Voltar