Novidades
segmento de manufatura

Segunda-feira, 28 de maio de 2012
A INFORMATIZAÇÃO E O RECOLHIMENTO DE IMPOSTOS

Investimentos em tecnologia podem evitar erros de cálculos e perda de prazos para o pagamento dos tributos.

A falta de informatização e integração dos sistemas gerenciais de uma empresa pode desencadear sérios problemas tributários. Segundo Walmir Scaravelli, sócio-fundador e Diretor Comercial da Mega Sistemas Corporativos, empresas com baixa automatização ou que utilizam softwares ineficientes correm mais riscos na hora de recolher os seus impostos.

Erros nos cálculos dos tributos a serem pagos, eventuais perdas de prazos na entrega das obrigações, além de maior dificuldade em acompanhar as constantes alterações nas legislações do seu segmento, são alguns dos percalços mais comuns enfrentados pelos empresários que não se preocuparam em investir em tecnologia, destaca Scaravelli.

Além de possibilitar uma maior facilidade no gerenciamento dos aspectos tributários, é importante que o software escolhido pela empresa possibilite a interface de todas as atividades da companhia, a transparência da estratégia de negócios e a eficiência em todos os processos envolvidos em sua rotina de produção. “Nesse sentido, uma solução completa para emissão e controle das notas fiscais eletrônicas também é essencial”, complementa o executivo.

Para Dimas De Marque, Gerente Financeiro da Verdés Máquinas e Instalações, companhia de origem espanhola e cliente da Mega Sistemas Corporativos, a solução utilizada hoje pela empresa facilita o controle dos tributos, principalmente aqueles que são retidos na fonte (IRRF, INSS, ISSQN, CSRF). “Na entrada do documento ou no seu pagamento, dependendo do fato gerador, a solução implantada pela Mega já gera um título para recolhimento, com o vencimento correto para a sua quitação, além de permitir consultas também pelo documento de origem, como a nota fiscal ou o adiantamento ao fornecedor. Isso traz maior garantia de que estamos em dia com todas as nossas responsabilidades tributárias”, acredita De Marque.


Voltar