Novidades
segmento de manufatura

Sexta-feira, 4 de julho de 2014
A ECONOMIA NO BRASIL DA COPA. QUAL O LEGADO?

Estamos chegando ao final da tão esperada Copa do Brasil. Tudo parece estar indo bem. Os turistas estão sendo bem recepcionados (embora os preços cobrados por alimentos, bebidas, souvenires e outros itens estejam exorbitantes em todas as cidades sede), a infraestrutura está funcionando razoavelmente, os jogos estão disputados e com as mais altas médias de gols da história da competição e até agora nenhum problema grave ocorreu com a segurança. As temidas manifestações também não ganharam força e um sentimento de orgulho já vai se estabelecendo entre a população.

Mas, nem tudo é perfeito e, embora no lazer e no futebol tudo pareça estar correndo às mil maravilhas, existe um lado sombrio nesta Copa que muitos já previam: a desaceleração da economia.

A intenção de compras em São Paulo é a menor em 12 anos. A queda na produção de veículos já acumula 7,3%, somente neste primeiro semestre, e mais de 20%, se compararmos ao mesmo período do ano passado. O nível da atividade industrial como um todo está 5,5% abaixo dos números de 2011 e a FIESP já projeta uma redução de 4,4% na produção de 2014, sendo que junho foi o terceiro mês consecutivo de quedas.

Mesmo o segmento de Construção, que seguia aquecido, está com o pior desempenho dos últimos anos, com grande volume de imóveis em estoque. Os reflexos negativos também já estão sendo sentidos nos setores de serviços e softwares, este último, inclusive, já acumula os menores índices de negócios em 5 anos.

A frase “vamos deixar para depois da Copa“ está se tornando um argumento “chavão”, frequentemente recebido pelas áreas comerciais de praticamente todos os segmentos, mesmo quando falamos do turismo, setor em que os empresários já sinalizam certa frustração.

Assim, vamos esperar que a Copa acabe rapidinho, a economia volte a engrenar e que depois da Copa os negócios não sejam postergados novamente para após as eleições.

Por Walmir Scaravelli- Diretor Comercial e sócio-fundador da Mega Sistemas Corporativos, empresa que oferece soluções tecnológicas diferenciadas de gestão empresarial para companhias que atuam nos segmentos de Construção, Logística, Manufatura, Combustíveis, Agronegócios e Serviços.


Voltar