Sábado, 1 de agosto de 2015
O QUE UM ERP PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO?

Administrar todas as operações relacionadas às distribuidoras e armazenadoras de combustíveis pode ser um desafio e tanto! Mas com o apoio de um bom ERP você pode tornar essa missão muito mais simples, produtiva e eficiente, ampliando os resultados do seu negócio.

Investimentos são inerentes ao desenvolvimento de qualquer tipo de empresa, certo? Nesse cenário, gestores que não se dispõem a investir para a compra de insumos e equipamentos, que não disponibilizam talentos para melhorar processos e que não aprimoram seus relacionamentos para ampliar o alcance de seus negócios dificilmente atingem a meta mais básica de qualquer empreendimento: crescer.

Mas o investimento por si só também não é garantia de que as metas e objetivos serão alcançados.  É preciso? Para isso, é preciso contar com um bom planejamento e uma excelente organização não só para colocar a casa em ordem, mas para mantê-la assim. Nesse sentido, a utilização de um sistema ERP (Enterprise Resource Planning) – ou sistema de gestão, como também é conhecido – para controlar os procedimentos do dia a dia da empresa, integrar diferentes áreas e garantir o melhor fluxo das informações corporativas é o que pode trazer os melhores resultados. “Com o avanço das tecnologias, a implantação desses sistemas pode ser feita em negócios de qualquer porte, ramo ou estrutura, e cada vez mais empreendedores estão investindo nesse tipo de organização corporativa”, explica Giovanni Sugamosto, Diretor Comercial da Mega Sistemas Corporativos, empresa que desenvolve, entre outras soluções, um ERP especializado no setor de combustíveis.

Empresas em pleno crescimento se deparam, no dia a dia, com uma série de desafios: ampliar a produtividade sem aumentar os custos de produção, reduzir o tempo de entrega de produtos, organizar o balanço financeiro, administrar salários e diversas outras dificuldades. Muitas vezes, superar esses obstáculos requer mudanças de políticas e de procedimentos, que podem ser alterados ou melhorados com a adoção de práticas automatizadas. Mas nesse ponto não basta apenas digitalizar a empresa com softwares diferentes para cada departamento. “Todos os setores devem atuar de forma integrada. E é aí que o ERP entra, trabalhando para o aperfeiçoamento de pontos centrais da sua corporação.

Com um ERP sua empresa pode interligar as áreas de modo que cada função e setor se baseie em um único local de armazenamento de informações, ajudando os colaboradores a tomarem melhores e mais ágeis decisões, além de permitir que o gestor tenha uma visão dos resultados consolidados e individuais da empresa. Isso é fundamental para a definição de estratégias e para a adoção de novas medidas para o crescimento do negócio. De forma geral, os sistemas devem possuir soluções básicas para automatizar e integrar processos administrativos, financeiros, contábeis e jurídicos, porém, precisam contar, ainda, com módulos para um controle mais específico na gestão de cada tipo de negócio, considerando as particularidades de cada segmento e oferecendo a expertise de uma equipe especialidade em cada ramo. Soluções genéricas e que atendem muitos segmentos podem falhar. É preciso especialização para tornar o controle eficiente.

Além disso, outro ponto de apoio fundamental que um sistema de gestão atende é a complexa carga tributária brasileira. “Mais do que controlar os tributos e obrigações que qualquer empresa precisa atender, alguns setores estão sujeitos ainda a regras específicas, como a ANP, e com um ERP monitorar todas essas ramificações se torna muita mais simples, rápido e eficiente”. Contudo, o executivo alerta que é importante ficar atento, pois nem todas as empresas estão preparadas para lidar com a amplitude dos tributos nacionais. “É importante pesquisar a fundo a especialização e conhecimento das equipes envolvidas para evitar que sejam necessários controles paralelos. Considere, entre outros pontos, saber se a solução apresenta alguma funcionalidade para a gestão de custos, por exemplo, que pode ser um aliado fundamental para enfrentas o atual cenário econômico do país.”

Muitos empresários, principalmente de pequenas e médias empresas, ainda têm uma certa resistência em utilizar um sistema ERP em seus negócios por pensarem apenas em seus custos de implantação e manutenção. No entanto, é preciso, primeiramente, mudar um pouco a perspectiva, já que a adoção de um ERP não é um gasto, mas, sim, um investimento. “As atividades de TRR são de fundamental importância para o desenvolvimento do país, com a comercialização de óleo diesel, óleos combustíveis, querosene, lubrificantes e graxas. Hoje são mais de 600 empresas distribuídas pelo território brasileiro e com grandes perspectivas de crescimento. Com esse potencial em mãos, o retorno da aplicação inicial em um ERP pode ser notado na rápida diminuição de custos em outras áreas e também no aumento da produtividade da empresa a mais longo prazo. Mas vale ressaltar que há casos em que os resultados são perceptíveis até mesmo a curto prazo”, finaliza o gestor.


Voltar