Quinta-feira, 15 de outubro de 2020
CAIXA ANUNCIA NOVAS MEDIDAS PARA ESTIMULAR O CRÉDITO IMOBILIÁRIO

Caixa anuncia novas medidas para estimular o crédito imobiliário

A Caixa Econômica acaba de anunciar novas medidas para estimular o crédito imobiliário.

Entre as medidas, que entram em vigor a partir da próxima quinta-feira, 22, destacam-se a redução da taxa de financiamento da casa própria para pessoa física; o pagamento parcial da prestação; e a carência de seis meses em novos contratos de pessoas físicas para imóveis novos.

A estimativa é que mais de 30 mil clientes sejam beneficiados com a concessão de mais de R$14 bilhões em crédito imobiliário com o uso de recursos da poupança até o final deste ano.

O anúncio foi feito durante uma live nesta quarta-feira, 14, quando o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, fez ima simulação de financiamento de R$200 mil em 30 anos. Entenda a comparação:

No cenário antigo, com a taxa cobrada em dezembro de 2018 (8,75% ao ano mais a TR) a prestação inicial custaria R$1.958,48. Agora, com as novas medidas, será de R$1.568,52, representando uma queda de 25% em relação à taxa do referente ano.

Se analisarmos pela taxa IPCA mais os 2,95% que o banco passou a oferecer em agosto de 2019, a prestação seria de R$1.040,70, refletindo uma queda de 46% em relação à taxa de 2018.

Pagamento parcial

No que diz respeito ao pagamento parcial da prestação, a medida foi proposta para apoiar famílias com dificuldades para retomar o pagamento integral do encargo mensal. Desta forma, a Caixa propõe duas alternativas:

  • Pagamento de 75% da prestação por até seis meses;
  • Pagamento de 50% a 75% da prestação por até três meses.

Os clientes poderão aderir a estas opções diretamente pelo aplicativo Habitação da Caixa.

Carência

Além da redução na taxa de juros, a Caixa oferece a pausa de seis meses nas prestações para contratações feitas até 30 de dezembro de 2020.

A carência será válida para novos contratos destinados ao financiamento de imóveis novos e inclui a suspensão de todo o encargo mensal, composto de juros e amortização.

Durante o período de carência proposto os clientes pagarão apenas custos referentes a seguros e taxa de administração dos contratos.

Índice da confiança

As novas medidas devem contribuir com a retomada gradual da confiança da construção civil, que em setembro retornou à zona de pessimismo moderado na qual se encontrava antes da pandemia. De acordo com a FGV, há uma percepção geral de recuperação da atividade e crescimento dos negócios.

Tecnologia

Para quem busca estruturação, investir em um sistema de gestão integrada específico para o mercado da construção pode ser uma saída inteligente e de grande influência para uma retomada sustentável.

Acesse este link e veja como garantir a otimização dos custos, o correto direcionamento dos investimentos, a redução do desperdício e o controle efetivo de cada etapa da obra, além de outras facilidades viabilizadas especialmente para o setor.


Voltar