Novidades
segmento de construção

Segunda-feira, 25 de agosto de 2014
INVESTIMENTO EM TECNOLOGIA É ARMA CONTRA A DESACELERAÇÃO

De acordo com o novo presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), José Carlos Martins, o Produto Interno Bruto (PIB) da construção civil deverá ter alta de zero a 1% em 2014, ante 1,6% do ano anterior (dado revisado e divulgado pelo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE). O baixo resultado vai ao encontro da desaceleração da economia brasileira como um todo. Incertezas políticas, taxas de juros e inflação em alta estão mantendo todos os setores em compasso de espera e os empreendedores pouco esperançosos por uma melhora em curto prazo.

Em um cenário pouco promissor, empresas do setor vêm procurando continuamente alternativas para se manterem vivas e saudáveis no mercado. Nesse sentido, investir em tecnologia, mesmo em tempos de vacas magras, se torna imprescindível. O fator determinante que leva hoje uma construtora a buscar um ERP, como os softwares de gestão são conhecidos, portanto, é a busca pela competitividade.

E a tecnologia realmente pode resolver dois dos grandes gargalos enfrentados pelas construtoras, que dizem respeito, sobretudo, ao acompanhamento das obras e planejamento. Quando uma empresa consegue acompanhar em tempo real se o andamento da obra está de acordo com o planejamento do projeto, ela consegue adotar as medidas necessárias para cumprir com os prazos previstos, evitando, assim, gastos extras e atrasos.

Outro ponto crítico é a gestão de contratos. A correta administração de todos os processos burocráticos assegura o cumprimento das etapas previstas, garantindo que o relacionamento com clientes e stakeholders não se desgaste.

E, por fim, uma das maiores demandas do segmento hoje em dia tem sido por mobilidade. Permitir, por meio de um sistema de ERP, que clientes, construtoras e lojas interajam com a atualidade de forma mais plena e ampla, por meio de dispositivos móveis, possibilita também o corte de despesas desnecessárias, rápida solução de problemas e tomada de decisões mais assertivas.

No entanto, cabe um alerta. A implantação de um ERP exige forte unificação de toda a equipe, que adotará um sistema que modificará definitivamente os processos internos e quebrará paradigmas. A priori, a mudança pode gerar certo tipo de resistência entre os colaboradores, mas observa-se que, com o passar do tempo, todos notam a importância de adotar novos hábitos, que só beneficiarão a cadeia produtiva.

Giovanni Sugamosto, Diretor da Mega Construção - Mega Sistemas Corporativos
O executivo é bacharel em Informática, administrador de empresas e atua há 15 anos na Mega Sistemas Corporativos.
www.megaconstrucao.com.br


Voltar