Novidades
segmento de construção

Segunda-feira, 22 de setembro de 2014
Cipasa prevê lançar, em 2014, R$ 600 milhões

A Cipasa Urbanismo estima que o Valor Geral de Vendas (VGV) dos seus lançamentos de 2014 ficará em torno de R$ 600 milhões, em linha com o ano passado.

A loteadora não tem meta formal, mas esperava, anteriormente, lançar de R$ 650 milhões a R$ 700 milhões no acumulado do ano. "Não temos pressão dos acionistas para fazer lançamentos. Só vamos lançar produtos quando o mercado estiver favorável, e houver demanda", diz o diretor financeiro da Cipasa, Pedro Lodovici, que assume o cargo de presidente-executivo em 1º de outubro.

Controlada pela Hemisfério Sul Investimentos (HSI), a Cipasa é uma das maiores loteadoras do país. O foco são loteamentos desenvolvidos em municípios com mais de 150 mil habitantes para as classes A, B e C.

Os empreendimentos lançados no primeiro semestre - quatro projetos, distribuídos em São Paulo, no Rio Grande do Sul, em Alagoas e na Paraíba - correspondem a cerca de um quarto do VGV projetado para o ano. Para este semestre, há projetos em condições de serem lançados pela empresa em oito estados.

A Cipasa não divulga o volume de vendas projetado e já realizado, mas Lodovici afirma que o total até agora está um pouco abaixo do que a empresa projetava inicialmente, como consequência da desaceleração do consumo. "Não medimos o bom desempenho de um projeto puramente pela velocidade de vendas", diz o executivo.

Na comparação com o ano passado, porém, as vendas estão maiores, de acordo com Lodovici. A Cipasa fez campanha de vendas de lotes remanescentes entre julho e o começo de setembro, que contribuiu para esse desempenho. A campanha abrangeu premiações para estimular corretores e descontos de até 5% em parte dos produtos. Cerca de 95% do estoque da empresa é formado por projetos não concluídos.

A loteadora está presente em 21 estados, no total de mais de 80 municípios, incluindo lançamentos e projetos em desenvolvimento. Atualmente, a Cipasa está compondo os projetos e buscando licenças para os lançamentos de 2015, 2016 e 2017.

Na avaliação de Lodovici, o ritmo da demanda, no ano que vem, vai depender dos ajustes que serão feitos pelo novo governo. "Temos de estar preparados para qualquer condição que o ano venha a ter, mas o fundamento do déficit habitacional ainda é muito forte", diz.

Segundo o executivo, a empresa está ainda mais rigorosa "nas atividades que precedem os lançamentos", postura que continuará a ser seguida em 2015.

Lodovici ficará à frente da loteadora no lugar de Sérgio Villas Bôas, que irá para a presidência do conselho de administração. A mudança na gestão da Cipasa foi anunciada em junho, como resultado de processo de transição iniciado em meados do ano passado. Segundo Lodovici, sua gestão será de continuidade da de Villas Bôas, e o conselho passará a ser mais atuante.

"Continuamos com as mesmas diretrizes e estratégias desde a entrada da HSI", diz Lodovici. De acordo com o executivo, a visão de longo prazo da loteadora foi fortalecida com a HSI. A gestora de private equity Prosperitas assumiu o controle da Cipasa no fim de 2010, por meio da compra de 78%. Em 2012, a HSI assumiu a gestão dos fundos da Prosperitas e o controle da Cipasa.

Nos próximos meses, Lodovici acumulará os cargos de presidente-executivo e diretor-financeiro. O nome de seu sucessor na diretoria financeira está sendo definido internamente.


Voltar