Tecnologia e manufatura: o que torna essa união tão necessária?

Tecnologia e manufatura: o que torna essa união tão necessária?

A união entre tecnologia e manufatura é uma das alternativas mais relevantes para que as empresas industriais se mantenham em atividade. Em momentos de crise, a sobrevivência é o principal desafio dos gestores industriais.

A retração do mercado interno veio acompanhada das novas exigências contábeis e fiscais feitas pelo governo, que acaba de integrar digitalmente as obrigações burocráticas no eSocial. Além disso, a necessidade de melhoria de produtividade e de qualidade provocam nas indústrias, que precisam se manter competitivas enquanto procuram reduzir custos, uma intensa busca pelo aperfeiçoamento de seus processos.

A resolução desse desafio passa, quase que obrigatoriamente, pela união entre a tecnologia e a manufatura.

Neste post, explicaremos como essa relação é cada vez mais uma necessidade e como as empresas que já se conectaram com a indústria do futuro estão em vantagem. Confira!

O que é manufatura?

Manufatura quer dizer "fazer com as mãos" — o que abrange todos os trabalhos manuais. Seu significado sofreu uma adaptação na revolução industrial, quando as máquinas possibilitaram a produção em série, alterando a lógica de fabricação.

Diversas indústrias são consideradas manufatureiras devido a sua escala produtiva e à participação de atividade humana no beneficiamento de matérias primas, transformando-as em um novo produto. Podemos citar as indústrias alimentícia, têxtil, fashion, automobilística, moveleira, mecânica e eletrônica. Embora existam funções que cabem exclusivamente a nós, cada vez mais a produção envolve processos automáticos ou semiautomáticos — as máquinas precisam de menos orientação e controle, ganhando cada vez mais autonomia.

O assunto do momento é a Manufatura Avançada, que envolve a chegada de tecnologias inovadoras no setor secundário, como Inteligência Artificial (IA), Big Data, Industrial Internet of Things (IIOT) e os Sistemas de Gestão Empresarial (ERPs) integrados. Essas são as bases que permitiram o surgimento e implementação da indústria 4.0 em outros países: as empresas brasileiras precisam alcançar o passo!

Como melhorar a gestão?

Com a utilização de um ERP integrando o chão de fábrica e a força de vendas, será possível ter uma melhor gestão de seus ativos, recursos humanos e suprimentos. Em toda a cadeia produtiva, há registros de apontamentos de produção, possibilitando uma gestão e um acompanhamento online. Desde a entrada de um pedido de venda, todos os processos estão integrados. O roteiro de produção avalia a disponibilidade de insumos e equipamentos, gerando as ordens de produção.

Cada setor recebe a sua relação de tarefas e uma previsão da data de entrega do produto final, se tudo ocorrer dentro do planejado. O sistema tem as informações sobre as manutenções preventivas e sobre as tarefas que serão realizadas simultaneamente — isso é fundamental para o cálculo da data de entrega.

Como ganhar agilidade no chão de fábrica?

Com todos os registros acontecendo no momento da produção e as atividades planejadas de acordo com a capacidade logística do espaço, das pessoas e das máquinas, haverá maximização da agilidade e da eficiência produtiva — ou seja, tudo estará sincronizado. Os retrabalhos serão minimizados e os dados servirão, ainda, para direcionar melhorias futuras, como investimento e planejamento estratégico.

Dessa forma, utilizando AI e Big Data para programar as máquinas, sua indústria terá uma estimativa precisa do tempo de produção de uma série antes mesmo de começar o processo. O uso de sensores internos permite, ainda, que o próprio equipamento controle seu bom funcionamento, alertando a equipe preventivamente sobre reparos necessários. Dessa forma, o trabalho só cessa em momentos programados.

Como melhorar a qualidade dos produtos?

Na indústria 4.0, o sistema padroniza os procedimentos que serão realizados. Todas as etapas estarão registradas e orientarão os operários no momento da produção. As distorções e as falhas serão apontadas, trazendo alterações ou aperfeiçoamento nos processos. A gestão tem mais controle e consciência do que está acontecendo e pode se concentrar em estratégias para motivar a equipe e acelerar o crescimento da empresa.

Como a tecnologia ajuda na tomada de decisões?

O Big Data não mente: ele é o compilado de tudo que acontece na sua empresa a partir do momento em que os registros digitais começam, e pode incluir ainda milhões de informações externas que o gestor e o programador considerem relevantes. A consequência de seu uso será uma maior confiabilidade das informações registradas no sistema. Sincronizado com o ERP, ele possibilita o uso de ferramentas de gestão à vista, dotadas de gráficos e relatórios sintéticos, que auxiliam na tomada de decisão.

A geração de dados específicos para atendimento às exigências dos órgãos reguladores e fiscalizadoresfunciona de maneira ativa. Além de alertas de prazo, o próprio sistema analisa os dados antes do envio, evitando atrasos e multas por inconsistências.

Como reduzir custos?

A redução de custos pode vir também a reboque da integração entre tecnologia e manufatura. Processos mais enxutos, controlados, apontados corretamente e com a menor incidência de retrabalhos, possibilitarão uma redução nos custos operacionais. Pesquisas indicam que, até 2025, a indústria 4.0 poderá economizar até 40% com manutenção de equipamentos e 20% com eletricidade.

A impressão 3D é uma das tecnologias que mais pode colaborar nesse sentido. Seu uso já é conhecido na produção de polímeros, pela sua eficiência e baixo custo, mas a tecnologia evolui rapidamente e agora já existem adaptações para a indústria alimentícia e até mesmo estudos para a área médica, como produção de próteses, tecidos e, futuramente, órgãos! A energia fotovoltaica também tem crescido no Brasil e no mundo, se tornando uma alternativa econômica e sustentável de geração elétrica.

Ganho na produtividade

A produtividade do pessoal também será percebida, uma vez que a padronização dos processos será efetivada. As melhores práticas fabris e administrativas serão usadas para acelerar e melhorar os processos industriais. Os trabalhos mais pesados e que precisam de mais precisão serão prioritariamente delegados às máquinas.

Os funcionários serão responsáveis pela coordenação, manutenção e pela parte criativa do processo, trabalhando de forma mais leve e motivada. Absenteísmos, acidentes de trabalho e adicionais de insalubridade ou periculosidade se tornarão cada vez mais raros. O estudo que citamos acima prevê um trabalho até 25% mais eficiente na próxima década.

Como você pode ver, estamos vivendo um momento muito importante para a indústria, e os próximos anos estão cheios de novidades positivas — isso é, se você souber utilizá-las a seu favor. Quando ocorre uma revolução tecnológica, uma empresa tem duas opções: abraçá-la ou ser deixada para trás. O investimento em manufatura avançada é uma escolha muito inteligente e coberta de benefícios de curto prazo. Mas, acima de tudo, é a única opção de sobrevivência no mercado a médio e longo prazo.

Agora que você já tem conhecimento de alguns benefícios da integração entre tecnologia e manufatura, não deixe de seguir a Mega Sistemas nas redes sociais! Estamos no TwitterFacebookLinkedIn e YouTube!