O que é CRP e como aplicá-lo em sua empresa?

O que é CRP e como aplicá-lo em sua empresa?

Um dos grandes desafios no processo de produção é saber ao certo quando e em que quantidade comprar ou fabricar os componentes que formarão o produto final, a fim de que os prazos sejam respeitados. É preciso que tudo seja muito bem programado, pois erros no planejamento podem comprometer toda a produção. Nesse caso, o Planejamento das Necessidades de Capacidade (CRP) é um recurso que ajuda no gerenciamento. Mas você sabe o que é CRP?

Neste artigo, você vai entender melhor sobre como esse recurso funciona. Além disso, descobrirá qual a sua relação com o MRP e o RCCP, e quais vantagens essas ferramentas trazem para o processo produtivo. Confira!

O que é CRP e qual sua importância?

O CRP é a sigla para Capability Resource Planning e também é chamado de Planejamento das Necessidades de Capacidade. Trata-se de um recurso muito útil para distribuir e gerenciar as operações de ordens de produção dentro de uma fábrica. Dessa forma, ele estabelece um cronograma de como e quando cada item deve ser produzido.

Esse planejamento é muito importante porque ajuda o gestor a entender se sua fábrica tem capacidade produtiva suficiente para atender certa demanda, calculando a carga de trabalho, o roteiro e os prazos necessários em cada etapa até chegar ao resultado desejado.

O CRP é um módulo do ERP que traz muitos benefícios, porque consegue:

  • otimizar a criação e os ajustes na programação de produção;

  • reduzir atrasos nas ordens de produção;

  • emitir alertas relativos a prazos e capacidades antes que os problemas ocorram;

  • organizar o cronograma conforme a prioridade de produção de cada item e etapa;

  • garantir maior controle geral sobre o ciclo produtivo.

Em outras palavras, o CRP vai assegurar que você tenha um cronograma de produção condizente com sua capacidade de produção. Mas como começar a utilizá-lo em sua empresa? Vejamos!

Como começar a usar o CRP?

Para funcionar, o CRP precisa de um banco de dados já formado. Essa base para o cálculo é o MRP (Material Requirement Planning, ou Planejamento dos Recursos Necessários). Além disso, é importante que o RCCP (Rough-Cut Capacity Planning), ou Planejamento da Capacidade de Recursos Críticos, já tenha retirado as restrições de capacidade ainda antes da execução do MRP.  

Dessa forma, o CRP é direcionado a empresas que já têm um Planejamento de Materiais bem definido. Por esse motivo, o módulo demanda alguns pré-requisitos:

  • recursos e capacidades dos Centros de Trabalho já cadastrados;

  • cadastramento de todos os processos industriais, envolvendo roteiros de fabricação, relação hora/máquina e hora/homem etc.;

  • bastante precisão nas ordens sendo abertas no chão de fábrica.

Como o CRP vai funcionar?

Digamos que um novo produto a ser fabricado é inserido no sistema. Será necessário definir as máquinas, os recursos e o tempo de produção necessários. Para que o sistema possa fazer esse cálculo, é importante que informações sobre os recursos e a capacidade de produção da fábrica estejam disponíveis.

Assim, o CRP calcula todo o cronograma de produção, combinando os produtos a serem produzidos e os recursos que podem ser usados. Além disso, ele ordena os pedidos conforme a prioridade e vai monitorando os prazos. Se no ínterim houver algum problema que impacte os prazos, um alerta será emitido.

Esse cronograma calculado pelo CRP não é rígido, de modo que o gestor pode fazer ajustes e inserir também ordens de emergência, a fim de que o sistema reprograme o planejamento.

Ao avaliar o que é CRP e seus benefícios para o bom gerenciamento do ciclo produtivo, é importante levar em conta que se exigem esforços para alimentar previamente o sistema com dados sobre tecnologias, recursos e produtos disponíveis. Dessa forma, o módulo poderá fazer cálculos exatos e eficientes para o controle de fabricação e a tomada de decisões.