Manutenção ou Facility Manager: qual a diferença?

O mundo de Facilty e Serviços vem passando por uma transformação evidente nas últimas duas décadas. Para se ter ideia, atualmente podemos contar até com cursos de MBA com ênfase em Gerenciamento de Facilidades.  

Mas por que será que este segmento passou a ter novos olhares da sociedade?

As Edificações Inteligentes passaram a ser uma realidade para diversos empreendedores e tornou mais próxima as necessidades das empresas aprimorarem o gerenciamento de facilidades.

Em tempos de maior consciência são mais comuns os projetos de engenharia chegar com propostas pensadas em como economizar energia, água, aperfeiçoar espaços e humanizar o convívio das pessoas que por ali trabalham ou consomem.

As empresas de engenharia e clientes que contratam os seus serviços passaram a pensar de forma integrada, quebrando paradigmas que tinham o objetivo de apenas construir fisicamente e o fim do ciclo era entrega da obra com o menor custo.

Perceberam que poderiam entregar uma edificação mais eficiente, com um custo até maior comparado com o modelo artesanal antigo, mas que permitisse gerar valor ao longo do tempo, criando formas que possibilitassem um melhor gerenciamento de facilidades das edificações depois de construídas, ou seja, a edificação já funcionando e economizando ao longo de anos.

Por exemplo: torneiras inteligentes nos banheiros, vidros que reduzem o calor, o uso de elevadores modernos desenvolvidos utilizando um sistema regenerador de energia, de forma que o próprio movimento do elevador freando gere energia para o que está acelerando.

O que antes se olhava como um custo de manutenção passou a ser compreendido como uma fonte de valores sustentáveis, impulsionando o mundo do Facility Manager ou como podemos chamar no Brasil de Gerenciamento de Facilidades.

Tecnologia e uso de robôs

Neste cenário de edificações inteligentes, empreendedores inovadores e clientes conscientes, obviamente inspiraram um mercado para venda de inúmeras outras facilidades ligadas a serviços e manutenção de ativos e podemos dizer que os processos mudaram.

A inovação neste segmento vem de várias formas como, por exemplo, robôs que podem mudar tudo na limpeza, aplicativos que podem permitir que os usuários interajam com a equipe de manutenção avisando de um problema, etiquetas de NFC (registro por aproximação do smartphone) fixadas em setores da edificação para informar pessoas das metas que precisam cumprir naquele determinado espaço, sistemas de portaria inteligentes, coleta de esgoto a vácuo, mictório a vácuo (sem nenhum uso de água), entre muitos outros serviços que geram valor.

Neste contexto podemos dizer que a automação e softwares passaram a ser uma realidade absoluta no mundo do Faciltys e Serviços.

Como fazer para a sua equipe em campo mergulhar no Facilitys?

Primeiro vamos pensar que o futuro do trabalho das pessoas está totalmente ligado à tecnologia de sistemas e robôs, também vamos pensar que no trabalho cada vez mais as pessoas estão buscando autonomia e agora vamos imaginar que todos da sua equipe tenham um dispositivo móvel, como um smartphone ou tablet, e este recurso esteja sendo utilizado de forma estruturada para que conecte as pessoas e equipamentos com a empresa por meio de um aplicativo organizacional.

Esses recursos estão fazendo com que os empreendedores também repensem o modelo atual. Muitas empresas do mundo Facility e Serviços já utilizam sistemas de gestão integrada (ERP) para áreas internas como Financeiro, Contabilidade, Fiscal, Compras, Contratos, Ordem de Serviços, Faturamento, mas ainda uma quantidade muito pequena de empresas integram de fato as atividades em campo (durante a execução) com o ERP. 

Solução de Mobilidade

Os aplicativos Mobserv e o Approvo, por exemplo, são ferramentas de mobilidade, sendo que o primeiro com funcionalidades para disparar on-line ordens de serviços para as equipes, permitir realizar apontamento de mão de obra  e de equipamentos ou ferramenta, fazer o registro de presença dos colaboradores no local da prestação de serviços utilizando tecnologia NFC, informar despesas gastas no momento que elas ocorrem, fazer a solicitação de compra ou contratação, fazer a medição de uma ordem de serviço para faturamento, check-list de inspeções, isso tudo já coletando evidências por meio de fotos, documentos digitais e vídeos, a ainda disponibilizar acesso para o cliente interagir solicitando novos serviços.

O segundo com funcionalidades para o gestor em campo aprovar uma solicitação, uma cotação, um pedido do compra, de uma forma simples liberar uma medição ou um pagamento de onde estiver e com toda a mobilidade. Nestes exemplos são os softwares trazendo produtividade para as equipes em campo, apoiando na coleta de informações com maior precisão e rápidas para a gestão.

A verdade que o que antes era chamado de "pessoal da manutenção" agora se apresenta como um mercado totalmente reinventado, que pode, então, ser denominado Facility Manager (Gerenciamento de Facilidades).

O que achou? Concorda, se encaixa neste cenário? Conta pra gente e continue acompanhando nossas discussões!