Eficiência para migração de dados: como conseguir na prática?

Eficiência para migração de dados: como conseguir na prática?

Com a popularização do uso de sistemas de informação dentro das organizações, um processo acabou se tornando necessário em alguns momentos, a migração de dados, contudo, existem vários riscos na hora de realizar essa atividade.

Esse processo é utilizado, geralmente, quando um novo sistema é implantado e se necessita utilizar uma antiga base, já sendo alimentada a mais tempo dentro da empresa.

Como essa tarefa é complexa e pode trazer alguns riscos a informação armazenada, criamos este pequeno post para orientar você e sua equipe como proceder nesse caso. Continue conosco e boa leitura!

Os desafios da migração de dados

Geralmente, a migração de dados não é considerada como deveria dentro das empresas e isso acontece por falta de conhecimento acerca da importância de uma base de informação construída ao longo do tempo e a complexidade desse processo.

Imagine um banco de dados em um ERP que já é alimentado a mais de 10 anos, existe muito valor estratégico em uma base como essa. Uma migração incorreta poderia fazer com que parte das informações presentes acabassem sendo deletadas.

A perda, em um caso como esse seria imensurável, afinal, são 10 anos de trabalho, e seria necessário, no mínimo, o mesmo tempo para recuperar esses dados.

Além disso, uma migração mal feita pode ocasionar uma série de outros problemas que refletiriam nos resultados das empresas como:

  • duplicidade de dados;

  • custos extras para manutenção;

  • diminuição de produtividade;

  • perda estratégica;

  • entre outros.

Os passos para uma migração de dados bem-sucedida

Uma migração de dados bem-sucedida é pautada em método e passos bem elaborados, visando minimizar quaisquer riscos que sua base de informação possa correr. Vamos listar algumas dicas para esse processo.

Planejamento da migração

O primeiro passo é o planejamento, que passa por uma avaliação completa do novo sistema e suas funcionalidades, verificando se todos os dados presentes na base serão utilizados e o que será feito com aqueles que não terão serventia em um primeiro momento.

Dentro do planejamento também é necessário escolher as tecnologias que serão utilizadas durante o processo e distribuir as responsabilidades do projeto.

Utilização de etapas

A migração por etapas é sempre a melhor escolha, pois dessa forma é possível avaliar como está sendo o processo e evitar problemas de adaptação ao se abandonar de uma vez só a ferramenta antiga.

Reavaliação de processos

Durante a migração é um bom momento para realizar seus processos e estabelecer o que pode ser melhorado, já que será utilizado um novo sistema e situações legadas podem ser substituídas.

Automatização de migração

Por meio de uma plataforma de integração, que automatiza todo o processo de migração de dados, é possível realizar a atividade de modo mais seguro e evitar possíveis erros de intervenção humana.

A importância de contar com um fornecedor comprometido

Além dos pontos acima, é preciso lembrar também que um bom fornecedor de software é comprometido com a experiência de sua empresa e que deve participar ativamente de todo o processo de migração.

O suporte pós processo também é de sua alçada, fornecendo auxílio para minimizar e corrigir quaisquer problemas que possam surgir devido a inconsistências durante o processo.

A migração de dados é uma atividade de alta complexidade e que não recebe a devida atenção por muitas vezes, o que pode  incorrer em prejuízos e frustrações. Esperamos que as informações deste post possa ajudar você a evitar essas situações.