Conheça os 5 principais desafios do agronegócio no Brasil hoje

Ter um negócio de alta rentabilidade se tornou muito desafiador — e o agronegócio no Brasil não foge a essa regra. Há uma série de obstáculos que devem ser ultrapassados todos os dias para alcançar o sucesso e confirmar as previsões mais otimistas.

Mas como superar os problemas e se destacar? O primeiro passo é conhecer quais são as dificuldades de cada segmento do agronegócio e estar sempre de olho nas tendências desse mercado para os próximos anos, além do seu posicionamento atual na economia, direta ou indiretamente.

Por isso, separamos um panorama desse segmento no país, assim como os cinco principais desafios que você pode vencer com a adoção de boas estratégias e tendo uma grande aliada nesse processo: a tecnologia. Confira a seguir e fique por dentro de tudo!

O agronegócio no Brasil

O agronegócio pode ser considerado como toda relação industrial e comercial que envolva a cadeia produtiva pecuária ou agrícola. O termo é utilizado para se referir às propriedades rurais que utilizam tecnologia para melhoria de sua produção e objetivando o lucro.

Menos de 10% do território brasileiro é usado como área de cultivo. Mesmo assim, o agronegócio é hoje um dos principais motores do desenvolvimento em nosso país, representando sozinho 30% do PIB (Produto Interno Bruto) até o primeiro trimestre de 2021.

Com isso, o que podemos observar é a modernização do campo em seus mais diversos segmentos, fazendo a diferença positivamente nos valores de produção alcançados, por extrair o máximo rendimento das terras cultiváveis.

A nossa performance tão boa é comprovada pela liderança no ranking mundial de produtores para alguns produtos. Hoje, no Brasil, temos como carro-chefe a produção de grãos. No entanto, o setor de produção de carne de gado e suínos vem se desenvolvendo cada vez mais, assim como a produção de leite.

Também, o suco de laranja produzido no país está tomando cada vez mais destinos e ganhando o mercado internacional. O Brasil pode ser considerado um dos maiores celeiros do mundo.

No país, metade das exportações vem do agro, o que evidencia o seu peso sobre o saldo positivo na balança comercial, principalmente devido a itens como café, açúcar e soja. Muito desse sucesso vem da otimização das áreas de plantio a partir do uso crescente da tecnologia no agronegócio.

As características do agronegócio brasileiro

Não é à toa que o agronegócio registra excelentes números. Em boa parte, os resultados se devem às peculiaridades existentes por aqui, que passam pelas características climáticas e do sistema implantado.

Por exemplo, nosso ambiente é muito favorável para plantações e criações, pois temos abundância de água, solo propício ao plantio e boa luminosidade natural. Os únicos problemas consistem em chuvas, estiagem, pragas e doenças nas lavouras, mas que podem ser contornados com as novas soluções.

Ainda, podemos mencionar a grande diversificação de produtos, como frutas, flores, açúcar, café, soja, hortaliças, algodão, madeira, cacau, borracha, carne e ovos. Tudo isso mantido, em sua maioria, por empresas familiares, ou seja, por negócios rurais que são passados de pais para filhos.

O maior desafio do mercado é por ter a concentração em grandes players, o que por vezes resulta em menor oferta de preços e condições de pagamento e recebimento. Ou seja, remete a um sistema de oligopólio.

A importância do agronegócio para o Brasil

Como destacamos, grande parte do PIB brasileiro é composto das ações do agronegócio. Essa representatividade é tanta que traz reflexos diretos e indiretos à economia, ficando notória a sua importância para o país.

O mercado de trabalho é um exemplo. Segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Novo Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego, o segmento abriu mais de 60 mil vagas de emprego em 2020, o melhor desempenho desde 2011. O setor emprega profissionais com formações diversas, como engenheiros agrônomos, veterinários, zootecnistas, administradores, entre outros.

Além disso, os dados de 2019 mostram que a soma de bens e serviços do setor chegou a R$ 1,55 trilhão, o que na época representava 21,4% do PIB brasileiro. O ramo agrícola é o que se destaca, com 68% desse valor.

Em seu portal, a CNA ressalta que o Brasil produz e se expande cada vez mais, tanto nacional quanto internacionalmente. Isso significa superavits que ajudam, na teoria, a libertar a economia e a reduzir o preço da alimentação, o que influencia a melhora da qualidade de saúde e de vida da população.

Os principais desafios do agronegócio no Brasil

Embora tenha esse cenário promissor e sendo o setor correspondente a cerca de um quarto das riquezas geradas na nação, os agricultores brasileiros enfrentam muitos desafios diários para manter esses números e crescer ainda mais a cada trimestre. Abaixo, você confere os principais deles.

1. Desperdício da produção

Durante a produção, é muito importante aprender a melhor forma de manusear e armazenar os produtos. Isso para evitar que se perca parte daquilo que foi produzido, aumentando os custos operacionais.

Os alimentos perdem valor comercial quando são danificados, pois ninguém quer comprar algo estragado. Por isso, na hora da colheita, é importante tomar os cuidados para preservar o seu plantio.

Por produzir hortaliças, ovos, queijos e outros alimentos consumidos pelo ser humano, você precisa desenvolver técnicas de trabalho que evitem o desperdício e garantam a qualidade dos produtos que serão comercializados.

O desperdício está em todos os momentos do ciclo produtivo, desde o plantio até a comercialização no varejo. Por isso, evite implementar tecnologias inadequadas, transportes ineficientes e outras ações que constituem as perdas na produção de alimentos.

2. Logística de entrega

Outro desafio muito comum é transportar os produtos sem que eles sejam danificados. Se você não tomar esse cuidado, boa parte da sua produção vai acabar sendo perdida. Isso acontece porque os alimentos:

- percorrem uma longa distância;

- estão expostos a diferentes temperaturas;

- não foram armazenados adequadamente nos caixotes.

Para evitar esse tipo de problema, devem ser tomadas providências para melhorar os processos logísticos e, se possível, entregar os produtos em locais próximos ao campo. A tecnologia pode ser uma aliada para aprimorar esses processos por meio de softwares de controle.

3. Preocupação social e ambiental

Infelizmente, muitas pessoas que trabalham no campo ainda são excluídas da sociedade. Muitas delas tiveram pouco acesso à educação e têm poucos recursos de saúde. Por isso, deve-se investir na qualidade de vida dessas pessoas, com treinamentos e doações.

Além disso, o mercado cresce em um ritmo acelerado, o que torna praticamente impossível fazer negócios sem importar ou exportar alguns produtos. Isso pode trazer infestação de algumas pragas.

Dessa forma, você deve tomar todos os cuidados necessários para evitar a propagação de insetos indesejáveis e ter todos os controles ambientais de acordo com a legislação. Sem contar que equipamentos tecnológicos podem ajudar muito na proteção das lavouras ou dos animais.

4. Excesso de burocracias nos processos

Um dos maiores desafios do agronegócio é o excesso de burocracias nos processos. Como exemplo, procure observar a dificuldade que existe para a exportação e a importação dos produtos.

É verdade que algumas dessas medidas servem para diminuir os riscos biológicos, evitando que pragas e doenças sejam passadas de um país para o outro. No entanto, boa parte dessas exigências apenas dificulta as atividades.

Logo, é muito importante se manter a par das novidades e medidas adotadas em cada país com que vai trabalhar. Isso evita que os produtos sejam impedidos de entrar em algum lugar por não cumprirem determinada exigência.

E não podemos deixar de citar a alta carga tributária, que influencia diretamente o preço dos alimentos e produz reflexos na população. Muitos empreendimentos são inviabilizados em razão do custo fiscal. Essa realidade penaliza o agronegócio e limita o seu potencial competitivo, pois é incapaz de competir com países onde esse fator é mais justo.

5. Falta de mão de obra no campo

Muitos campos ainda têm pouca mão de obra especializada. Além disso, não é comum ouvir uma pessoa jovem falar que quer trabalhar em uma lavoura nos dias de hoje. A maioria procura investir em outra carreira.

Como consequência disso, o setor agro enfrenta dificuldades para encontrar trabalhadores qualificados, o que pode comprometer o seu crescimento a médio prazo, pressionando custos com outros métodos, como uso intenso de tecnologia.

Para resolver esse impasse, a utilização de recursos que substituem a mão de obra está cada vez mais em alta. Mas vale frisar que, embora seja o caminho mais fácil, não deve solucionar todo o problema.

Sendo assim, as pessoas envolvidas com o agronegócio precisam, além de investir em tecnologias, fazer desse um empreendimento atrativo para tentar despertar o interesse de jovens profissionais.

O uso da tecnologia no campo para superar os desafios

O processo de superação dos desafios no agronegócio é marcado pelas tecnologias, que permitem automação, conectividade e geração de dados sobre a atividade agrícola, permitindo maior precisão e assertividade na tomada de decisões.

Os tempos em que os donos de lavouras identificavam gargalos e decidiam suas ações com base apenas na sua experiência e no seu feeling definitivamente ficaram para trás.

O campo vive um processo acelerado de digitalização em toda a cadeia produtiva, que usa mecanismos como robótica, big data, inteligência artificial, internet das coisas, mapas e imagens de satélites, entre outras ferramentas voltadas para ter maior eficiência, produtividade e redução de custos.

Dentro desse processo, os equipamentos ajudam com a utilização de dados para melhorar o gerenciamento das lavouras e aperfeiçoar os resultados do negócio. Máquinas automatizadas e teleguiadas, análise dos dados por imagem com recursos da NASA e domesticação microbiológica são bons exemplos da transformação digital.

A prova de que a adoção da tecnologia no agro contribui para encarar os problemas diários é que 84% dos agricultores nacionais já usam soluções digitais (na produção, informações sobre maquinários, controle de estoque, armazenagem etc.). Ainda, 40% dos pecuaristas usam novas formas como canal para compra e venda de insumos e da produção.

Esses números, obtidos em um levantamento da Embrapa, do Sebrae e do Inpe, mostram que o produtor brasileiro está cada vez mais aberto a essas inovações e já está pronto para acolher outras novidades que estão por vir com força para o campo.

As expectativas do agronegócio para os próximos anos

Sem dúvida, os números do campo têm contribuído para que a crise econômica não tenha impactos ainda mais negativos em todo o país. Assim como vivemos lá em 2018, agora são esperados grandes avanços para o agronegócio no mundo, principalmente no Brasil.

Produtores e demais envolvidos nas atividades do setor estão otimistas. Veja quais são as principais expectativas para o mercado nos próximos anos.

Melhora na eficiência

A tecnologia tem um papel fundamental no aumento da produção das propriedades rurais. Com o advento da transformação digital e novas empresas surgindo focadas em contribuir para o desenvolvimento de soluções, se espera um aumento de eficiência.

Os grandes desafios apresentados aqui podem ser vencidos por meio das aplicações de novas tecnologias e do apoio de soluções que estão surgindo com as necessidades do mercado.

Produção sustentável

Os consumidores estão se tornando cada vez mais conscientes acerca dos perigos ambientais da produção de alimentos de forma descontrolada e sem cuidados básicos sanitários.

Com isso, estão buscando por alternativas que se mostrem sustentáveis. Grandes propriedades já estão desenvolvendo soluções nessa área, tornando-se capazes de produzir com eficiência sem agredir o meio ambiente.

Isso porque a agricultura e a pecuária são as maiores protagonistas das mudanças climáticas, mas lutam contra esse peso com a incorporação de práticas que reduzem as emissões de gases de efeito estufa e outros problemas.

Internet das coisas

A internet das coisas ainda é uma tendência em muitas áreas. No entanto, para o campo, já existem muitas aplicações práticas, e a expectativa é de que haja uma implantação ainda maior dessas soluções nos próximos anos.

Esse recurso funciona por meio da aplicação de sensores no maquinário agrícola capazes de prover uma série de informações relevantes ao produtor, que, então, pode tomar decisões de forma mais acertada, como a melhor hora para a colheita.

Rastreabilidade de alimentos

A qualidade é um dos principais pontos observados por consumidores cada vez mais exigentes e preocupados com a saúde. Com isso, algo já praticado na pecuária está sendo utilizado também em outros segmentos do campo.

A rastreabilidade dos alimentos permite ao consumidor verificar uma série de informações acerca do alimento que ele está adquirindo, como data de colheita, local, transporte, armazenagem e outros dados.

Conhecer os desafios do agronegócio no Brasil e estar por dentro das tendências para o futuro são atitudes que permitirão que você tome as medidas necessárias para corrigir os problemas. Essas dificuldades podem ser transformados em soluções que tornarão sua marca reconhecida no mercado.

Gostou de conhecer os principais desafios do agronegócio no Brasil? Compartilhe este conteúdo agora mesmo em suas redes sociais para que seus amigos e colegas também aprendam!