Como calcular preço de venda: passo a passo

Como calcular preço de venda: passo a passo

Um dos maiores desafios para um empreendedor, principalmente no início do negócio, é saber como fazer o cálculo do preço de venda. Isso porque a conta leva em consideração alguns fatores, como as despesas fixas, as variáveis e a margem de lucro, até chegar ao valor final.

Quando o cálculo não é feito da forma adequada, prejuízos podem ocorrer e, muitas vezes, até guiar o negócio pelo caminho da falência. Neste artigo, você aprenderá como precificar produtos e serviços da maneira correta. Continue a leitura e confira!

O que é preço de venda?

Preço de venda é o somatório de todas as despesas, os custos e o lucro da empresa. Em outras palavras, consiste no valor em dinheiro que o consumidor precisa desembolsar para ter o direito de comprar um item ou um serviço. 

Embora seja uma fórmula simples, é preciso observar se o quanto os clientes estão pagando por um produto ou serviço está condizente com o mercado. Em caso de discrepância, pode ser interessante, por exemplo, procurar enxugar custos e despesas, ou abrir mão de uma parte dos lucros para que se obtenha um volume maior de vendas.

Não é raro as empresas terem custos que podem ser reduzidos ou eliminados, para maximizar os lucros e fazer o preço final ser acessível ao consumidor. A parte de logística e o contrato com os fornecedores são apenas dois exemplos que podem ser citados como fontes de custo adicional para o negócio.

Relação entre preço de venda e lead time

Imagine a seguinte situação: um fornecedor entrega insumos a um preço relativamente baixo, mas o tempo necessário para a mercadoria chegar à companhia é considerado alto. Nesse caso, mesmo que o custo nominal seja baixo, a empresa perde no chamado lead time.

Esse é o tempo que leva entre uma mercadoria ser produzida e entregue ao cliente. Dependendo da circunstância, pode ser mais lucrativo contratar um fornecedor a um preço mais elevado, mas que, em compensação, entregue os insumos em um tempo menor.

Como dito, é necessário levar em consideração uma série de fatores antes de calcular o preço de venda. Por isso, nos próximos tópicos, explicaremos o conceito de algumas variáveis que fazem parte desse cálculo.

O que é custo?

Quando falamos em custo, estamos nos referindo a todos os gastos da empresa relacionados ao produto que você venderá na sua loja. Por ser uma das parcelas do preço de venda, é preciso considerar, por exemplo, os insumos usados na fabricação, os salários e as comissões dos colaboradores, o transporte e a energia elétrica usada.

O que é despesa?

Além dos gastos direcionados ao produto, existem também aqueles relacionados com a empresa, sendo chamados de despesas. Para operar, uma companhia precisa pagar, entre outras coisas, aluguel e internet do espaço, bem como água, luz e contratos com fornecedores. Também são despesas os materiais usados no escritório e a alimentação dos funcionários.

O que é lucro?

A fim de definir o lucro de um produto, é preciso pegar o preço de venda e deduzir todos os gastos e despesas, inclusive, os tributos. Esse valor remanescente costuma ser reinvestido nas operações da companhia ou se tornar o chamado pró-labore do empresário.

De modo geral, para identificar quanto a empresa lucrou, deve-se subtrair da receita total (tudo o que o seu negócio recebeu em um determinado período) os custos ao longo do processo. Você verá a seguir que o lucro pode ser de dois tipos: normal e econômico.

Lucro normal

Quando o lucro da empresa é suficiente para ela se manter operacional, significa que ele é do tipo normal. Se esse valor se torna negativo ou não consegue mais cobrir os custos do produto e do espaço, a companhia passa a correr o risco de falir, caso esse resultado se mantenha por um longo período.

Lucro econômico

O lucro econômico ocorre quando os ganhos são maiores do que os necessários para a sua operação. Dessa forma, novos investimentos são possíveis, bem como a promoção de colaboradores e o aumento no pró-labore do dono da empresa.

Vale destacar que essa margem de ganho permite o crescimento em escala do negócio, de modo que os custos e as despesas não cresçam na mesma proporção. Algumas companhias que pagam dividendos podem também repassar esse lucro econômico aos seus acionistas.

Qual é a importância de calcular o preço de venda?

Sem dúvida, quando pensamos na importância de calcular o preço de venda, a primeira coisa que vem à nossa mente é a garantia do lucro — que é o objetivo perseguido pela maioria dos empresários e planejado antes mesmo de anunciar a venda de uma mercadoria ou de um serviço.

No entanto, saber como calcular esse valor é uma estratégia bem mais abrangente do que simplesmente buscar a lucratividade. Afinal, o preço de venda é um fator que influencia o cliente em suas decisões de compra.

Realizar uma precificação adequada é imprescindível para manter a saúde financeira da empresa, assim como para ajudar os gestores a terem uma visão mais clara dos negócios, já que ela facilita a gestão comercial.

Além disso, um cálculo eficiente ajuda a definir metas para aumentar a margem de lucro, a identificar o momento de reajustar os preços, a reduzir custos que estão pesando no orçamento e a avaliar se algum produto deve ou não ser mantido no ciclo de vendas.

Tudo isso pode ajudá-lo a vender mais. Por isso, determinados fatores se tornam insubstituíveis no momento de realizar essa conta. Lembre-se de que, sem uma definição precisa desses valores a serem cobrados, o seu negócio pode até conseguir bons números de vendas, mas talvez ele não dure por muito tempo.

Como essa informação pode ajudar seu negócio?

Saber como calcular o preço de venda de um produto ou serviço é um processo essencial para a existência de qualquer empresa. Afinal, entre as principais causas que influenciam a decisão de compra, o preço é a que mais se destaca.

Ao escolher um produto, o consumidor sempre levará em consideração os custos de venda — que devem retratar o seu valor agregado e a sua funcionalidade. Sendo assim, o preço do seu produto terá uma relação direta com a quantidade que é comprada pelo mercado.

Portanto, sem uma precificação adequada, não é possível definir um preço de venda ideal para o seu produto ou serviço, e isso fará com que o negócio esgote seus próprios recursos rapidamente.

Ademais, qualquer erro no cálculo do preço de venda, tanto para cima quanto para baixo, pode gerar outros problemas, como a queda no faturamento, o declínio no volume de vendas e a redução da margem de lucro, além das dificuldades para fazer seu negócio expandir.

Não se esqueça de que muitas empresas fecham as portas por não conseguirem funcionar com prejuízos por longos períodos. Então, se você quer sobreviver no mercado e prosperar, a precificação correta é um mecanismo muito importante.

O que é preciso para calcular o preço de venda?

Antes de colocar os números no papel e começar a fazer as contas, é importante entender os fatores que envolvem o cálculo. Conhecer bem cada elemento é essencial para evitar erros na hora de calcular o preço de venda. Para defini-lo, considere os seguintes pontos:

  • o custo de produção, de distribuição e de divulgação;
  • o volume de compra de acordo com o planejamento estratégico e o orçamento disponível;
  • as ofertas similares da concorrência;
  • a análise de produtos e de serviços que estarão em linha.

Esse valor deve ser suficiente para cobrir todos os custos, além de ser competitivo no mercado. Para fazer o cálculo, você deve levar em conta os fatores que veremos a seguir.

Custo direto

É o valor gasto para adquirir um produto ou serviço. Inclui, além dos custos de aquisição (revenda) ou produção, os impostos que incidem sobre ele: Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), Programas de Integração Social (PIS) e Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (Cofins).

Despesas fixas

São as despesas referentes aos custos da empresa que se repetem todos os meses, como aluguel, conta de luz, folha de pagamento, entre outros. Embora não estejam diretamente relacionados ao produto ou serviço, podem fazer parte do percentual do preço. Vale incluir custos com fornecedores e frete.

Despesas variáveis

Também são gastos que não têm relação direta com o produto ou serviço. A diferença é que eles variam todos os meses. Entre os mais comuns estão as comissões para os vendedores e os impostos sobre as vendas, além de embalagens e taxas do cartão de crédito, por exemplo. 

Margem de lucro

O termo é utilizado para definir a porcentagem de ganho adquirida a partir da venda de cada produto. Leva em consideração quanto a empresa precisa para cobrir todos os custos e ainda gerar lucro. Para chegar à margem de lucro, é preciso avaliar a quantidade de venda e a demanda de cada item.

Como calcular o preço de venda com Markup?

Com os conceitos bem definidos, é hora de colocar todos os custos na ponta do lápis para chegar ao valor final do produto/serviço. Um dos métodos mais usados para calcular o preço de venda é o Markup, que é calculado a partir do percentual das despesas fixas, variáveis e a margem de lucro. A fórmula é a seguinte:

100/[100-(DV+DF+LP)]

  • 100 é o preço unitário total de venda em percentual;
  • DV equivale a despesas variáveis;
  • DF representa as despesas fixas;
  • LP é a margem de lucro pretendida.

Para calcular, o primeiro passo é estipular os percentuais de cada elemento da fórmula. Por exemplo: o custo direto é R$50,00, as despesas fixas representam 20%, enquanto as variáveis equivalem a 10%, e a margem de lucro pretendida é de 15%. Na prática, ficaria assim:

100/[100-(10+20+15)] = 1,82

Esse é o valor do Markup. Para calcular o preço de venda, você deve multiplicar 1,82 por R$50,00 (custo direto). O resultado será R$91,00, que é o preço ideal para chegar ao lucro desejado, além de abrir margem para negociações ou para estipular limites de descontos.

Como aumentar a margem de lucro?

Agora que você já conheceu os principais conceitos para determinar o preço de venda dos produtos, é hora de obter resultados ainda melhores nos lucros. Afinal, não adianta nada ter uma margem de lucro pequena que não garante o reinvestimento e a manutenção da sua empresa. Isso faz com que seu negócio não cresça e se mantenha.

Então, um passo importante na definição do seu preço de venda é levar em consideração o aumento da sua margem de lucro, já que será por meio dela que sua empresa terá uma boa saúde financeira e poderá se expandir futuramente.

Confira as dicas que separamos para você conseguir aumentar a margem de lucro do seu negócio!

Escolha bons fornecedores

Ter bons fornecedores é fundamental para conseguir melhores condições comerciais e prazos de pagamento mais vantajosos na reposição do estoque. Portanto, avalie quanto cada fornecedor cobra, levando em consideração todos os fatores que afetam o preço de venda. Assim, você evita possíveis aumentos, indisponibilidade de estoque ou demora na entrega.

Outra dica importante é buscar referências, ou seja, outras empresas que validam o trabalho desse fornecedor. E, mesmo depois da indicação, realize alguns testes antes de fechar um contrato mais longo. 

Avalie bem o mercado e crie diferenciações

Um ponto fundamental para aumentar a margem de lucro é buscar diferenciações no mercado. Para isso, você pode avaliar as necessidades e as preferências dos consumidores, bem como verificar qual o diferencial que sua marca pode oferecer.

Fique atento aos seus concorrentes, aos preços oferecidos e não deixe de ficar de olho nas mudanças do mercado. De vez em quando, o preço de matérias-primas e de produtos pode aumentar ou diminuir, e você deve ficar atento às variações para oferecer sempre um valor competitivo. Além disso, identifique quais são os seus diferenciais e trabalhe em cima deles!

Reduza os custos e as despesas

Embora pareça meio óbvio, muitas empresas não levam em conta essa dica. Mas a matemática é clara: custos e despesas menores resultam em lucros maiores. Quando você consegue reduzir alguns gastos operacionais mantendo a qualidade, é possível adquirir uma boa margem de lucro e, ao mesmo tempo, oferecer um preço atrativo para os consumidores. Lembre-se de que toda economia será valiosa em longo prazo.

Como formar um preço de venda?

Além dos aspectos financeiros, a determinação do preço de venda deve levar em consideração o aspecto mercadológico. Ou seja, o preço deverá estar próximo do praticado pelos concorrentes diretos da mesma categoria de produto e de qualidade.

Além disso, também precisam ser considerados o nível de conhecimento de marca, o tempo de atuação, o volume de vendas e o dinamismo da concorrência. Dessa forma, se o preço estabelecido pelo mercado for menor que o encontrado a partir dos custos internos da empresa, o empreendedor precisa refazer os cálculos financeiros para avaliar a viabilidade de seu negócio. 

Saber calcular o preço de venda de produtos e serviços é a melhor forma de projetar lucros, ganhar vantagem competitiva no mercado e fazer uma melhor gestão de ativos. Para sair na frente da concorrência, nada melhor do que contar com processos seguros e corretos a fim de garantir o sucesso das vendas. Além disso, ao ter o controle de todas as despesas para o cálculo, você pode melhorar sua precificação.

Gostou deste artigo sobre como precificar os produtos da sua empresa? Aproveite para compartilhar este conteúdo nas redes sociais — e siga a Senior Mega no Instagram e no LinkedIn!