5 práticas de gestão para adotar agora mesmo

Uma empresa pode dominar a tecnologia necessária ao seu segmento de atuação e, ainda assim, ter dificuldades para alcançar destaque. Pode ser extremamente produtiva e vir a enfrentar obstáculos que vão da simples estocagem aos problemas mais complexos de distribuição, vendas ou marketing. Uma empresa pode possuir os funcionários mais dedicados, os gerentes mais eficientes e o produto mais procurado; se não estiver amparada por boas práticas de gestão, estará em sério risco.

Ainda hoje, em pleno século 21, muitas organizações contentam-se em sobreviver. Não há metas ou parâmetros, as avaliações de desempenho ocorrem raramente e as estratégias e correções de rumo são, no máximo, intuitivas. Elas apenas trabalham e esperam que os clientes continuem a precisar de seus produtos e serviços.  Esse modelo pode até funcionar por um tempo, mas o mercado ensina que mais dia, menos dia, o resultado é a falência.


Por que é preciso ter boas práticas de gestão?

O futuro de qualquer organização está na administração eficiente de seus recursos, no estabelecimento de objetivos claros e realistas, na busca constante de vantagens competitivas e na melhoria contínua de seus processos.

Todos esses aspectos são interdependentes, o que significa que não é possível resolver um, depois passar para o outro, e assim sucessivamente... É preciso agir de maneira sistêmica, ou seja: observar, decidir o que fazer e determinar diversas ações simultâneas, capazes de fazer a diferença em todo o planejamento.

Daí a importância de adotar as melhores práticas de gestão, em qualquer contexto – especialmente nas médias e grandes empresas. Vamos conhecer algumas dessas técnicas e seus benefícios para as organizações!
 

Metas

Quais são os objetivos? Ampliar a participação no mercado? Aumentar o faturamento? Inovar nos serviços oferecidos? Aonde os gestores pretendem chegar dentro de seis meses, um ou dois anos? Uma organização sem rumos definidos pode até crescer, mas não conseguirá manter-se, no longo prazo.
 

Equilíbrio financeiro e controle de caixa

Se o gestor está sempre preocupado em cobrir hoje o déficit que surgiu ontem, algo está errado. É preciso estar vários passos à frente, quando se trata da gestão financeira, de modo a ter tempo para agir com antecedência e evitar o aperto e os problemas de caixa.


Política de recursos humanos

Valorizar as pessoas é o único caminho, e gerir talentos é tão importante quanto controlar receitas e gastos.  Nas organizações em que os funcionários estão em sempre segundo ou terceiro plano a rotatividade é alta e a produtividade é baixa.


Adoção de ERP

Hoje existem inúmeras ferramentas poderosas e capazes de transformar completamente a realidade de uma empresa. Talvez a mais importante delas seja o ERP, ou “Enterprise Resource Planning”, que corresponde a um Sistema de Gestão Empresarial.

Esse software corporativo possibilita o controle de todas as informações estratégicas da organização, analisando cenários e interligando dados a fim de contribuir para as melhores decisões dos gestores.

O grande mérito do ERP é seu potencial de integração: enquanto dados isolados pouco podem revelar sobre as oportunidades e os riscos que o mercado oferece, um bom software de gestão é capaz de fazer correlações, de modo a sugerir a solução ideal para cada desafio.


Planejamento produtivo

O planejamento produtivo nada mais é do que a administração controlada e sustentável dos recursos que a empresa necessita para produzir seus bens ou serviços. Com a ajuda de um bom gerente de produção é possível pensar com antecedência em todas as etapas do processo, de forma a torná-lo menos dispendioso, mais rápido e eficiente, com índice de desperdício menor e maior taxa de produtividade. Trata-se de uma etapa fundamental no planejamento das organizações.

E então, a sua empresa já adota práticas de gestão? Que tal aprender mais sobre o assunto? Baixe agora mesmo o E-book "Aprenda a definir indicadores de produtividade realmente eficientes!". E boa leitura!